ptenfrdeitrues

Filosofia

 

Falar sobre a história de um ritual é útil para a compreensão da sua evolução, sendo  igualmente importante destacar suas especificidades e procurar as caracteristicas que poderia conter bem como  o aspeto da sua inovação. De facto, se um rito tem uma continuidade, é muito provável, por isso mesmo, que ele corresponda a uma sensibilidade, a uma expressão que tem o seu lugar na tradição maçônica.

Vamos primeiro recordar que os Ritos, designados egípcios se distinguem mais pelos seus Altos Graus do que pelos Rituais utilizados nas Lojas Azuis. 

Na verdade, a criação destes rituais no século XVIII, preocupa apenas aqueles que estavam acima dos três primeiros Graus da Maçonaria Simbólica (Aprendiz, Companheiro e Mestre).

Só aos poucos, e mais recentemente,  foi introduzido, tanto em França, como a nivel mundial, elementos provenientes do Conhecimento que tivemos no Egito. 

Alguns textos poéticos e evocativos, associados a terminologias específicas e sequências rituais intensas, no envolvimento da totalidade do indivíduo, tornaram, todavia, este rito num rito espiritualista de conjunto e pleno de interesse.

Os Altos Graus, para os seus praticantes extremamente experientes, tiveram muitas mudanças, nos seus números, no seu conteúdo e seu rico simbolismo, como, mesmo, na ordem em que eles foram classificados.

Como dissemos acima, os ritos egípcios não foram desenvolvidos a partir do zero. 
Por muitos anos, a tradição egípcia foi envolta em mistérios e atrações. Durante a Idade Média permanecemos quase que ignorantes de quaisquer tradições precedentes.

Mais tarde, no Ocidente surge uma revolução intelectual notavel que foi o Renascimento e especialmente o Renascimento italiano e florentino. 

Em 1450, Cosimo e Marsile Ficina funda a Academia Platônica em Florença. Durante vários anos, Marsile Ficina, a pedido de Cosimo de Medici, traduziu os textos herméticos, platônicos e Neo-platônicos. Os actores da Academia de Florença, em seguida, redescobriram a tradição hermética dos filósofos antigos e, através deles, o Egito. Eles trazem à vida a "corrente de ouro" que une os iniciados aos seus antepassados Mediterrâneos. A nova Academia de Florença tornou-se um centro intelectual líder onde se efetiva a rica fusão da tradição judaico-cristã com a antiga filosofia hermética. É interessante destacar que o "New Academy" não se opôs a filosofia do paganismo antigo ao cristianismo. 

Esta redescoberta das tradições antigas levou, por outro lado, a um enriquecimento mútuo. Esses espíritos iluminados e livres conciliaram a tradição de Hermes e os ensinamentos de Platão, Plotino, Plutarco, Jâmblico, Proclus, etc. com os ensinamentos cabalísticos judaico-cristã. É óbvio que esta tentativa heróica não foi vista com tanta tolerância pelas autoridades da Igreja, especialmente porque a ênfase era ainda mais forte no plano filosófico e neoplatônico que cristão. A influência e abordagem ao trabalho de M. Ficina e muitos outros foram, assim, sentidos em toda a Europa. No entanto, as obras gregas traduzidas identificavam o Egito como origem mítica e fonte da tradição espiritual. Para os gregos, o Egito foi o lugar onde todos aqueles que quisessem aprender sobre sua sabedoria se deveriam tornar filosofos. 

Sua civilização e a sua religião foram identificadas e reconhecidas como as mais antigas. Pitágoras, Plutarco, Platão, para citar alguns, renderam-se a estas terras. Tornou-se então gradualmente claro para a Renascença, que além da Grécia antiga, existia uma tradição ainda mais antiga para explorar. Vários autores, citados no início do artigo, lançaram-se nesta pista através de obras significativas. A campanha do Egito de 1798 leva por sua vez a muitas descobertas, incluindo a dos hieróglifos por Jean-François Champollion em 1822.

Já em Inglaterra, Anderson faria referência aos Mistérios antigos, e a franco-maçonaria passa, aos poucos, a integrar elementos simbólicos, revelando as tradições dos Mistérios. A decoração do Templo, o desenrolar dos rituais, modifica-se um pouco nos primeiros graus e adquire, nos Altos Graus, uma fórmula francamente inspirada nos Mistérios antigos. 

Os ritos egípcios foram adquirindo, aos poucos, características tanto positivas, como problemáticas. A intenção dos primeiros fundadores, do Sec. VIII, foi a de despertar, a partir dos conhecimentos da sua época, o espírito e, numa certa medida, a prática dos mistérios sagrados das tradições antigas, integrando-os num novo quadro da franco-maçonaria. Mais tarde, os fundadores de Memphis e de Misraïm, procederão da mesma forma. Podemos distinguir duas influências principais, que definirão dois aspectos da filosofia deste rito.

O primeiro, mais próximo de Misraïm, e trazido pelos Bédarride, recebe a influência da Kabbalah judaico-cristã, inspirando-se nitidamente na "Ordem dos Eleitos-Cohen" de Martinès de Pasqually e dos cabalistas cristãos de Renascença.

O segundo, o de Memphis, activado por Marconi de Nègre, visará, mais especificamente, o hermetismo clássico e os Mistérios antigos pré-cristãos. Podemos até afirmar que eles se inspira, largamente, no espírito da "Alta Maçonaria egípcia" de Cagliostro. 

A franco-maçonaria egípcia não é, nem uma religião, nem um esoterismo monoteísta, nem um hermetismo heroico (transformando os heróis da antiguidade em super-homens destinados a dominarem as massas) e por isso, os seus 200 anos de existência continuam a demonstrar a originalidade desta expressão.

Todos, e Marconis de Nègre certamente ainda mais, tentaram reviver, sob a forma maçónica, os antigos Mistérios. Numerosos foram os símbolos, as sequências rituais, que penetraram a tradição maçónica no seu todo e por conseguinte, nos seus ritos. Mais explicitamente, os ritos egípcios tentaram materializar e reviver, nos seus sistemas de Graus, aquilo que receberam como riqueza das tradições do passado. Mas esta esperança, este ideal, não teve muita expressão, porque opunha dois sistemas de pensamento, duas formas de ver o Mundo, uma democrática e exotérica, face a uma aristocrática e esotérica. 

Poder-se-à, então, concluir que esta oposição é irredutível e que todo o confronto entre um e outro, deverá se diabolizado? 

Que os antigos Mistérios e a filosofia clássica não trazem nada à franco-maçonariade hoje?

Certamente não, e é, sem dúvida, o contrário que é verdadeiro. Porque esta oposição repousa sobre um desconhecimento dos princípio da filosofia e do hermetismo, concepção que foi perfeitamente compreendida pelos actores da Academia de Florença, mesmo quando as circunstâncias os impediram de se exprimirem.

Com efeito, os textos antigos de tradição hermética não convidam à submissão cega a um princípio, mesmo que divino.

A iniciação não é, de todo, esse influxo que desce sobre este ou aquele hierofante. Ela é o contrário da expressão da virtude e da inteligência do Homem, manifestação dessa determinação que lhe permitiu superar o estatuto de animal.

Nós estamos, verdadeiramente, no coração da tradição maçónica, no que ela tem de mais rico e nobre.